Zé Ronaldo responde processo criminal por contratação de funcionários fantasma para prefeitura de Feira de Santana.

0
522

Uma das investigações que tramitam na Vara Criminal de Feira de Santana contra o candidato a governador Zé Ronaldo (DEM) aponta que o então prefeito nomeou uma funcionária que nunca trabalhou no cargo para o qual foi lotada. O caso faz parte de uma ação ajuizada pelo Ministério Público do Estado da Bahia em torno de crime de responsabilidade supostamente cometido por contratação de funcionários para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Mangabeira.

Até maio deste ano, o processo estava sob responsabilidade do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), mas acabou remetido para a primeira instância após o democrata perder a prerrogativa de foro ao deixar a administração municipal para participar do pleito de outubro.

Segundo o MP, Ronaldo designou Luciene Aparecida Silva Brito Vieira para atuar como servidora comissionada “mesmo sabendo que não existia compatibilidade de horários com o cargo efetivo que esta última ocupava, e, devido a não prestação do serviço público no cargo de confiança, permitiu que fosse desviado dinheiro da municipalidade”.

A escolha, conforme a denúncia, teve influência de Denise Lima Mascarenhas, à época secretária de Saúde da cidade. Atualmente postulante a deputada federal estadual pelo PHS, Denise é investigada na mesma ação. Ronaldo, por sua vez, nega as acusações.

“O alcaide teria alcançado proveito próprio, decorrente do enriquecimento político de seu nome e/ou de seu grupo partidário, bem como promovido o proveito alheio, atinente ao recebimento de remuneração por pessoa que não prestou o efetivo serviço público”, assinala o MP.

“A segunda denúncia trata de uma acusação de funcionária que estava em outra função e já estamos esclarecendo tudo à Justiça. São casos isolados dentro de um universo de 10 mil funcionários na prefeitura de Feira de Santana. Estou muito tranquilo com relação a isso. Minha história é meu maior patrimônio”, acrescenta a nota.

Por: Redação.

Jornal de Olho na Cidade.

Reprodução.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here